sábado, 23 de outubro de 2010

"A bonis bona disce"



Perdemos hoje nosso querido cachorro Ben, com 12 anos de idade.

Em 2004, antes mesmo de conhecer minha esposa, fui fazer um trabalho na casa do amigo que me ensinou tudo o que sei sobre dar aulas de inglês, o Marcel. Ele tinha dois pastores-alemães, o Max e o Ben. O Max era grande e mais tranquilo. O Ben, um pouco menor. Porém bem mais bravo e inteligente.

Enquanto fazia traduções com o Marcel podia observar que embora ferozes, os cachorros sabiam que eu gostava de cães e por isso me tratavam muito bem. O Marcel acabou voltando para seu país e deixou o Ben comigo, já que eu tinha me mudado. Morando sozinho, precisava de um cão de guarda. Sendo muito bravo, o Ben só poderia ficar com alguém de quem gostasse. Assim ganhei meu primeiro cachorro.

Ele já me salvou de uma gangue com 6 elementos que vinha para cima de mim com pedaços de pau. Também me protegeu de um grupo de desocupados que passavam de bicicleta. Um vagabundo um dia tentou se aproveitar do portão aberto e ficou esperando escondido atrás do muro. Quando resolveu entrar foi alegremente recebido pela fúria do Ben (e meu facão de 14 polegadas). Não pensou duas vezes e saiu correndo. Quando a minha esposa chegava tarde de ônibus, ele ia comigo buscá-la. Adorava passear e sua alegria era estar conosco.

Bravo, também já me meteu em encrencas. Arrebentou uma enforcadeira de aço encravada em seu pescoço para poder atacar o veterinário, que sobreviveu com minha intervenção. Nas duas vezes que arrisquei deixá-lo sozinho para tomar banho no pet-shop, fui chamado às pressas para contê-lo. Numa dessas ocasiões ele ficou sozinho na loja e todos os funcionários de fora. Isso sem contar as brigas com outros cachorros e as vezes que dava uma escapadinha...

A bonis bona disce - Cerca-te dos bons e se tornará um deles.

Aprendi muito com o Ben. Também errei muito. Deus sabe que fiz o melhor que pude. Também sei que meu querido Ben era muito feliz. Tive oportunidade de me despedir dele com longas conversas ontem e hoje.

Aprendi que se soubermos pelo que lutamos, não importa o tamanho, tipo ou número de inimigos. Sempre nos defenderemos pensando nos que amamos, não nos que nos queiram ferir.

Cachorros não se preocupam com políticos corruptos, não se preocupam com problemas no futuro, não difamam, não se corrompem. Sua única satisfação é alegrar seus donos. Observando isso, fico pensando que se nos comportássemos assim com relação a Deus, teríamos uma vida de paz.

Fico imaginando que na criação do mundo, enquanto o homem se maravilhava com tudo, Deus chamou o cachorro e disse:
Cuide dele para mim, não deixe que seres humanos maus ou predadores invadam sua casa. Se ele ficar cego, guie-o. Se ficar doente, peça ajuda.
Imagino o cachorro respondendo com um alegre latido, abanando o rabo, para logo em seguida correr para realizar sua tarefa eterna com muita alegria.

Agradeço a Deus por ter me dado o privilégio de ter sido o dono do Ben estes 5 anos e meio. Hoje também, minha filha completa 3 meses de idade. Agradeço ainda mais a Deus por isso.

Obrigado, Todo Poderoso Deus. A você toda honra e glória.

Um comentário:

  1. Seu apelido carinhoso era negão, está deixando muita saudade.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...